04/11/2016

As leitora indicam: 3 livros distópicos nacionais #2


YAAAY PESSOAS FELIZES, TUDO BEM?
Bem, como vocês adoraram o post em que eu indico 6 livros distópicos eu decidi trazer a segunda edição desse post mas com livros que vocês me indicaram e que eram nacionais pois eu acho que temos que dar mais valor aos escritores dos nosso paises então sempre quero trazer eles aqui para o blog.
Várias pessoas comentaram livros legais no outro post e eu decidi escolher três e trazer aqui para vocês!
Vamos lá?

1º) Distopia- Kate Willians- Em uma sociedade governada por militantes, com um sistema incorruptível, as crianças são isoladas no regimento militar aos sete anos de idade e treinadas para serem soldados. Lá, eles aprendem da forma mais cruel a atirar e a matar, perdendo muito cedo a sua inocência. Depois da Grande Guerra, o mundo passou a ser dividido entre governantes e governados e cada um tem as suas dores, suas mágoas e limitações. E o que nos resta saber é: de qual lado você está? Porque no final das contas, não estamos vestidos para lutar... Assim como nunca estaremos vestidos para morrer...


 Cada uma das 10 Cidades da nação de Lisarb escolherá, por meio de voto dos habitantes, um casal de jovens entre 15 e 18 anos para o Festival das Cidades-Mortas.
Os 20 Eleitos serão encaminhados para a Cidade-Morta selecionada, onde serão confinados e terão que escapar dos soldados-robôs que irão se dispersar pelo local, com claras intenções de morte lenta.
Todos aqueles que conseguirem sobreviver até o final das duas semanas de confinamento, terão a honra de fazer dois pedidos, possíveis e aprovados pelo Presidente, é claro.
As seleções começarão no dia primeiro do último mês do ano e o Festival terá início no dia terceiro após os Eleitos serem anunciados.
O confinamento será acompanhado por toda Lisarb por meio da TV aberta durante todos os dias do Festival, ao fim das noites.
Aos Eleitos, com toda a verdade, desejamos sorte e, acima de tudo, coragem.
David Neil e Boris Alvimar (Diretor da Emissora RGS-14 e Presidente da República)
Em seu romance de estreia, Dêner B. Lopes traz ao leitor mais que um Jovem-Adulto distópico. Mostra de uma maneira fria e imparcial até onde as pessoas vão para conseguir impôr suas opiniões e o que fazem para conseguir sobreviver a uma caçada mortal.

3º) A Ilha dos Dessidentes- Ser levada para uma cidade especial não estava nos planos de Sybil. Tudo o que ela mais queria era sair de Kali, zona paupérrima da guerra entre a União e o Império do Sol, e não precisar entrar para o exército. Mas ela nunca imaginou que pudesse ser um dos anômalos, um grupo especial de pessoas com mutações genéticas que os fazia ter habilidades sobre-humanas inacreditáveis. Como única sobrevivente de um naufrágio, ela agora irá se juntar a uma família adotiva na maior cidade de mutantes do continente e precisará se adaptar a uma nova realidade. E logo aprenderá que ser diferente pode ser ainda mais difícil que viver em um mundo em guerra.





Me siga nas redes sociais:

Nenhum comentário:

Postar um comentário